É da natureza humana o desejo de esconder, do mundo e de si próprio, qualquer sentimento, lesão ou sintoma que possam parecer uma anomalia. Baseando-se em crenças e conceitos, julga-se algo como feio ou errado e tenta-se descarta-lo.

Dá-se o nome de Efeito Sombra a essa parte do ser que é comparada, julgada e banida da vista. Algo que se considera ruim e que não deve ser aceito, seja até uma simples dor.

Como varrer a poeira para debaixo do tapete, a tentativa é tirar da vista aquilo que aparentemente não está de acordo. E para isso utiliza-se sempre a comparação com algo que seja o ideal. No fim, você próprio, vítima desse estresse da rejeição, passa a querer descartar a si mesmo(a), em parte ou até em todo.

E como fazer para voltar a aceitar essa parte rejeitada? Afinal, o bom e o mau, o claro e o escuro, são percepções duais, e não passam de dois lados da mesma moeda. Por que não aceitar o todo? A cura começa com a integração das partes.

O grande problema, porém, está na rejeição de si mesmo. Por isso, eu costumo dizer que aceitar-se é o melhor presente que se pode dar. E você, se aceita por completo?

Dentro da EFT trabalha-se muito a questão da auto aceitação. Em um sentido, é o começo e o fim da cura. O sentido da frase básica no começo do trabalho na EFT é: “Eu tenho um problema e eu me aceito assim mesmo.”

A sociedade em geral, liderada por conceitos e crenças culturais, religiosas e familiares, leva você a não se aceitar, a se comparar com o melhor e criar o duelo entre o vencedor e o perdedor. E o incentivo está em ficar do lado do vencedor, pois quem gostaria de ficar em time que está perdendo?

Por um lado, existe uma vantagem em querer o melhor. É o aperfeiçoamento e a busca da perfeição. Mas será que não existe vez para o segundo lugar? Afinal, o planeta abriga sete bilhões de seres humanos, e cada um deles tem uma beleza em particular. Cada um é um diamante, que pode ser polido e é feito para brilhar.

Será que não é possível criar uma situação onde todos possam sair ganhando?

Como existe o medo de não ser aceito na sociedade devido a supostos defeitos, a tendência é esconder isso. Muitas vezes, esconder de si próprio! Isso acarreta sérios conflitos internos e consequentemente até grandes doenças físicas. E a comparação (com outros, com metas não atingidas, com ideias, etc.) impede a aceitação de si mesmo.

Essa é a sombra, o nosso lado escondido, proibido e negado. No momento que se deixa de negá-la, para então acatá-la e integrá-la, aí sim, há o começo do processo da mudança e da cura.

E você? Está pronto(a) para começar a se aceitar? E se perdoar?

A EFT é uma ótima ferramenta para o auto conhecimento e para uma conversa interior. Dando os toques nos pontos da acupuntura (tapping), ocorre a reconexão com o ser interno, e, por que não, como o ser superior. Um processo simples, mecânico, mas de alta eficácia material e espiritual.

Como fazer?

Parte-se do ponto de que os sintomas que você possa estar experimentando, sejam preocupações, doenças ou até fracassos, são reflexos da tentativa de mascarar uma parte de si próprio, a parte da sombra.

Ao encará-la de frente, usando o procedimento do Set Up (preparação) da EFT, ocorre uma anulação dessa resistência ou barreira. É o início do caminho para a integração. (NOTA: para quem ainda não conhece o processo da EFT, recomendo uma rápida lida nessa pagina aqui)

O primeiro passo é estar pronto(a) a perdoar-se.

Lógico que o perdão (e o auto perdão) não é algo que se possa impor. Você pode saber intelectualmente que deve ser mais compassivo(a) consigo, mas ainda assim, existe uma barreira para se perdoar completamente.

O que eu digo aqui é estar pelo menos aberto a ter mais compaixão e perdão. Seria algo como:

Mesmo que eu tenha tanta dificuldade em me aceitar como sou, com todos os meus problemas, e queira sempre fugir deles, escondê-los de mim mesmo, eu ainda assim gostaria de estar mais aberto à ideia de poder me amar e me aceitar como eu sou.

Mesmo que eu esteja nessa batalha contra esses meus problemas, e muitas vezes acho que estou perdendo, e esses problemas estão ganhando de mim, eu ainda assim procuro me aceitar completamente.

Mesmo que eu não esteja conseguindo resolver esse problema, e parece que nunca vou conseguir, eu procuro me aceitar e aceitar meus sentimentos. E um dia poder chegar a em perdoar.

Depois de falar essas frases enquanto se dá o toque no “ponto do caratê”, faz-se então a rodada, que consiste no tapping (batidas) nos oito diferentes pontos, mantendo sempre o foco. O sucesso é quando se chega a um ponto de paz e comunhão, onde as duas partes saem ganhando.

O Segundo passo seria encarar o problema específico de frente.

Como você sente o problema? Nessa etapa, pode-se usar uma analogia ou simbologia. Uma dor, por exemplo, pode ser vista como um objeto espetando certa parte do corpo. Você pode também sentir como energia pura. Imagine o seu problema como energia, que provavelmente estará em conflito com o campo energético do corpo todo. O que você vê ou sente? E aí basta fazer a EFT para isso:

Mesmo que eu queira negar essa energia dentro de mim, e este é o meu conflito, eu ainda assim me aceito como um todo e posso até chegar a aceitar o meu problema.

Mesmo que eu ainda esteja neste conflito com este meu problema, eu me amo e me aceito de qualquer modo.

Mesmo que esse meu problema esteja em conflito com o meu todo, eu ainda assim me amo e me aceito profunda e completamente.

O ideal é chegar a fazer as pazes com essa parte do corpo em conflito. É possível surgir medo. Pode ser medo de continuar com o problema ou até medo de ter mudado. Isso tudo pode ser analisado e então neutralizado através de uma rodada de EFT específica para isso.

No momento que você sentir que está tranquilo(a) em relação ao problema, então já é hora de seguir adiante. Note que você pode ficar bem, mesmo que o problema ainda permaneça. Por exemplo, você pode estar tratando de uma dor. No início, há a rejeição da dor, como se ela fizesse parte da sombra. O ideal é chegar a aceita-la: mesmo que a dor continue, ela já faz parte de você. O mesmo pode se dizer se você esteja querendo parar de fumar. Você se aceita ou se rejeita por causa disso?

Quando houver total aceitação do problema, é hora de ir para o terceiro passo, que é a integração:

Nesse momento, basta continuar o tapping, sem nem mesmo falar nada. O importante é estar conectado(a) e sentir todo o ser vibrar em unidade e presença. Sinta as energias se integrando.

Eu gosto muito, também, de terminar com as seguintes palavras, que não deixam de ser uma oração pedindo para aceitar as duas partes do todo. Essa frase é do método “Peça e Receba”, desenvolvido por Tom Altaffer e Sandra Radomski. Enquanto estiver fazendo o tapping (nos oito pontos tradicionais ou, se souber, no ponto gama) repita:

«Existe uma parte do meu ser, que compreende corpo, mente e espírito, que já sabe que é possível eu resolver esse dilema que apresento no momento. Porém, existe ainda uma outra parte de meu ser que ainda reluta em aceitar a solução, talvez por medo ou baseado em crenças e conceitos. A parte mais iluminada do meu ser quer informar isso à outra parte mais ignorante. Esse trabalho está sendo feito neste momento, com facilidade e elegância. Minha mente, corpo e espírito estão recebendo a informação agora e a atualização da informação já foi feita. »

Desejo tudo de bom e lembre-se: sombra é apenas um outro lado na dualidade. Se anjo não tem costas, por que então damos tanta importância à sombra?

Comentários