Como perder peso com a EFT

Algumas dicas e exercícios para emagrecer

emagrecerÉ um fato que o maior problema de saúde hoje em dia é o nosso modo de vida sedentário. Ele, entre outros males, ajuda a criar a obesidade. E as estatísticas são alarmantes: o mundo está ficando obeso!

Emagrecer tornou-se praticamente a intenção número um da maioria da população. Somos bombardeados pelas informações de que ter uns quilos a mais é receita para doenças ou morte prematura. Isso por si só já é enorme fonte de estresse. Somado a isso, ainda existe o terrorismo cultural de que beleza é sinônimo de ser esbelto(a). O resultado é que criamos um sentimento de autoestima baixíssimo e desvalorização de nosso ser. O sinal que recebemos é que: quilos a mais significam descuido, descontrole e falta de amor próprio.

No fundo, todo problema de obesidade resume-se e esses fatores. Externamente podemos ainda buscar a solução em dietas (algumas ditas milagrosas) e academias. Mas…

a grande maioria dos que seguem dietas não conseguem emagrecer (se o fazem, é por curto período e depois ganham novamente tudo o que haviam perdido).
e pior, se feita de maneira forçada ou contra a vontade, esses dietas levam você a ficar mais propenso(a) a armazenar gordura para evitar no futuro esses momentos traumáticos de aparente escassez.
Essa novela de primeiro ganhar peso e depois fazer dieta para perder peso é contra producente e nos deixa emocionalmente desequilibrados.

Qual seria a solução, então? Ao contrário de termos apenas uma visão parcial, que tal adotarmos a visão holística? Mente e corpo estão ligados entre si. Ao entrarmos em equilíbrio nesse ser completo, problemas como compulsão por comer demais (que é apenas um sintoma) ou como ganhar peso demais (que também é um sintoma) deixam de nos afetar.

A EFT, como técnica, é um ótimo instrumento para trazer esse equilíbrio entre corpo e mente e sanar qualquer problema que possamos ter.

A gordura nunca é apenas a gordura aparente. O buraco é mais embaixo. Existe o que eu chamo de Gordura Emocional. E são esses problemas emocionais o grade vilão do excesso de peso.

Antes de adentrar ao problema mais profundo, que é o emocional, deixo aqui um breve exercício em um vídeo. Esse é o primeiro passo: tirar a vontade momentânea e compulsão por comer a qualquer hora. Minha recomendação é fazer esse exercício frequentemente para restabelecer o equilíbrio e romper aquela compulsão repentina por comer.

 

 

O comer demais é apenas a solução encontrada para “resolver” os problemas emocionais. Quando alguém se queixa de estar acima do peso, essa pessoa pode estar sofrendo de:

autoestima baixa, de não se sentir bem e bem encaixado(a) no mundo.
necessidade de ter o seu próprio espaço no mundo.
sentimento de rejeição (oras, a comida é o companheiro fiel, que não foge).
achar que não tem o suficiente (assim come-se mais do que o necessário).
sentimento de vazio, (que precisa ser preenchido).
Para cada pessoa há um problema emocional envolvido. São problemas individuais e, portanto, a dieta também deveria ser algo individual. E por onde poderíamos começar essa dieta?

Minha sugestão é começarmos pela dieta emocional. Afinal, se existe uma “gordura emocional”, também há de existir uma “dieta emocional”. E o primeiro procedimento nessa dieta é verificar o quanto se está em conformidade com o peso.

É muito comum eu ouvir pessoas dizendo que não se veem gordas (isto é, inconscientemente querem fechar os olhos ao seu estado atual) ou então que se veem gordas e entram em desespero por isso (total desequilíbrio entre a situação física e a emocional).

O primeiro exercício que proponho é perguntar a si mesmo(a): Você está em conformidade com seu peso? Quais os sentimentos que vêm à cabeça quando você pensa nisso? Auto-rejeição? Ira? Desgosto? Adapte esse exercício para a sua realidade:

Ponto do caratê:

Mesmo que eu esteja muito irritado(a) por causa do meu corpo, eu me aceito como eu sou, e me amo profundamente.

Mesmo que seja muito difícil para eu me aceitar dessa maneira, procuro me aceitar como eu sou e me amar profundamente.

Mesmo que eu me sinta desgostoso(a) por causa do meu corpo, e por isso não me aceito dessa maneira, eu ainda assim procuro me aceitar como eu sou.

Sobrancelha: Esse meu corpo me irrita.
Lado do olho: Fico mais irritado(a) ainda por não conseguir emagrecer.
Embaixo do olho: Dá vontade de me castigar ainda mais.
Embaixo do nariz: Eu não gosto desse corpo.
Queixo: Eu não me sinto bem dentro dele.
Clavícula: Eu gostaria de me livrar de tudo isso.
Embaixo do braço: Sinto-me mal. Gostaria de ter um corpo melhor.
Em cima da cabeça: Sinto um desgosto muito grande.

Sobrancelha: Eu não me encaixo nesse corpo.
Lado do olho: O erro é meu de ter deixado isso acontecer.
Embaixo do olho: Tem alguma coisa errada com o meu corpo.
Embaixo do nariz: Eu não me aceito como eu sou.
Queixo:: Talvez se eu me aceitasse, eu poderia emagrecer.
Clavícula: Se eu me amasse, eu poderia me aceitar mais.
Embaixo do braço: Aí eu poderia me olhar no espelho.
Em cima da cabeça: Poderia haver um equilíbrio entre o físico e a mente.

Pratique esse exercício até se sentir mais em união em si e se sentir mais conforme com sua situação atual. Você pode me questionar, querendo saber como isso vai trazer uns quilos a menos. Mas eu considero esse o primeiro passo: estar em paz consigo mesmo(a). Essa harmonia do ser (entre corpo e mente) trará a autoestima e força necessárias para prosseguir.

* * *

O segundo exercício seria ver o quanto você está enganando a si mesmo(a). É muito comum as pessoas me dizerem que não comem muito. Elas não sabem por que estão gordas uma vez que acham que não comem muito.

Pode até ser que elas tenham uma dieta saudável e controlada, mas há sempre as escapadas, ou beliscadas fora de hora. Sempre há desculpas como: eu mereço uma compensação, só agora, depois eu me controlo, isso não vai fazer muito mal, etc. E no final, termina-se comento muito, e muita comida errada!

E isso pode acontecer de maneira inconsciente. Quando se pergunta, a resposta clara é: eu não como muito. Será esse o seu caso?

Outra armadilha pior é quando essas transgressões são feitas de modo consciente. Isso traz o sentimento de culpa e o sentimento negativo de estar fazendo algo errado constantemente. Oras, se o sentimento que você tem é sempre negativo, certamente o resultado será negativo também.

Veja qual a situação que você se encaixa. E adapte o seguinte exercício:

Ponto do caratê:

Mesmo que eu esteja me enganando, comendo toda hora e ainda assim dizendo que eu não como muito, eu procuro me aceitar como eu sou.

Mesmo que ache justo eu quebrar minha dieta e comer fora de hora, afinal eu mereço um descanso porque estar sempre controlando o que como, e isso é muito estressante, eu ainda assim me amo e me aceito profunda e completamente.

Mesmo que eu me culpe, por estar comendo de maneira errada, eu me amo e me aceito profunda e completamente.

Sobrancelha: Afinal, ninguém é de ferro.
Lado do olho: Eu também mereço comer o que eu quiser.
Embaixo do olho: Essa é a minha maneira de ser independente.
Embaixo do nariz: Esse comer extra é porque eu mereço.
Queixo: Será que isso é comer demais?
Clavícula: Acho que estou me enganando.
Embaixo do braço: Mas como eu poderia me controlar?
Em cima da cabeça: Acho que existe uma rebelião dentro de mim.

Sobrancelha: Talvez eu esteja querendo ser independente com isso.
Lado do olho: Poder mostrar que eu tenho controle da situação.
Embaixo do olho: Mas que controle é esse, se eu estou me enganando?
Embaixo do nariz: No fundo, é estressante seguir tudo direitinho.
Queixo: Eu também mereço um descanso.
Clavícula: Mas depois eu me culpo por isso. Por quê?
Embaixo do braço: Eu escolho poder me controlar mais.
Em cima da cabeça: Eu escolho poder estar ciente de tudo aquilo que eu como.

Faça esse exercício e preste atenção depois como é sua atitude em relação a comer a qualquer hora, sem se dar muito conta disso. Note se você consegue se controlar mais. Mas, por favor, não faça de maneira forçada. Apenas observe sua atitude e veja se consegue controlar melhor a língua. E mais, observe se de fato você está comendo demasiadamente e não se dando conta disso.

* * *

Outro exercício, também, é verificar em si o quanto você está sujeito(a) a influências de ideias, de acontecimentos do passado e até do que os outros falam sobre você. Isso tudo é o que chamamos de crenças limitantes.

Uma das maiores crenças é achar e querer resolver isso de uma hora para a outra. Por exemplo, fazer uma dieta mágica ou tomar uma pílula e emagrecer não sei quantos quilos do dia para a noite. Isso também inclui a ideia de fazer uma operação e com isso achar que o problema já está sanado. Até mesmo a EFT pode servir como desculpa: fazer um pouco de EFT e achar que assim vai emagrecer logo.

E o quanto você se influencia pelo que os outros falam de você? Frases como “você é gordo(a)”, “você nunca vai emagrecer!” ou então “você está sempre nesse emagrece-engorda…” são enormes boicotadores de nosso sucesso.

Também, é provável que em nossas vidas, tivemos que engolir pais severos e críticos. E assim tivemos que engolir os sentimentos. Engolir pensamentos, situações. E para não doer mais os sentimentos, por que não começar a engolir mais comida?

É muito importante verificar o passado. Como você era quando criança? É comum haver muitas reprimendas em relação à gordura: ser vigilante na comida, para não ficar igual a tal e tal pessoa, ou então não poder comer isso ou aquilo.

Apesar da boa intenção, isso faz com que a pessoa se sinta reprimida, desprovida de sua liberdade, castrada, e o resultado é uma rebelião.

É muito comum em todos os casos acima a comida servir de substituto de outras experiências. É preferível refugiar-se em uma comida gostosa do que lutar por ter uma vida gostosa.

Dá para você fazer uma lista de tudo o que a comida representa para você? O quanto você está preso a conceitos sobre você e a comida? Esse exercício é para criarmos uma mudança nessas crenças.

Ponto do caratê:

Mesmo que eu esteja tão preso a conceitos sobre como eu devo emagrecer ou como e o que a comida representa para mim, eu me amo e me aceito completamente.

Mesmo que a comida tenha se tornado algo central em minha vida, ela é um companheiro fiel que me satisfaz na hora que eu preciso, eu ainda assim me amo e me aceito profunda e completamente.

Mesmo que a comida preencha esse vazio dentro de mim, eu me amo e me aceito profunda e completamente.

Sobrancelha: eu adoro comer, e não consigo parar de comer.
Lado do olho: A comida (e principalmente ____) me lembra os momentos alegres do passado.
Embaixo do olho: A comida é o centro de minha vida.
Embaixo do nariz: Eu tenho que me sentir pleno(a), cheio(a), com muita comida.
Queixo: Penso em comer a todo o momento.
Clavícula: Sempre estou pensando em por algo na boca.
Embaixo do braço: Eu sempre me sinto reprimido(a), ressentido(a).
Em cima da cabeça: O que eu iria perder se parasse de comer muito?

Sobrancelha: Com certeza iria perder essa minha suposta segurança de agora.
Lado do olho: Eu seria outra pessoa. Será que estou preparado(a)?
Embaixo do olho: Mas eu continuaria emocionalmente vulnerável.
Embaixo do nariz: E isso eu não quero.
Clavícula: Possivelmente eu iria encontrar um(a) parceiro(a), e talvez eu não esteja pronto(a).
Embaixo do braço: Eu iria me desprender de minha infância.
Em cima da cabeça: E isso eu tenho medo.

Sobrancelha: Como eu posso ter a minha própria vida?
Lado do olho: O que eu iria fazer?
Embaixo do olho: O que eu seria?
Embaixo do nariz: Acho que não estou pronto(a).
Queixo: Eu sempre comi tentando preencher o vazio, e me sentir satisfeito(a).
Clavícula: Será que eu iria perder tudo isso se parasse de comer e emagrecesse?
Embaixo do braço: E se eu parasse com esses meus conflitos?
Em cima da cabeça: E me sentisse pleno(a)? eu mesmo(a), física e emocionalmente?

Espero que esses breves exercícios possam ajudar. Creio que deu para ter a ideia de que é impossível emagrecer e se manter saudável sem antes trabalhar o seu lado emocional. Aconselho a continuar nessa busca pelo equilíbrio contínuo, tirando de si toda a carga emocional negativa.

Dessa maneira você também poderá vibrar aquele ser iluminado e cheio de saúde e vigor que você de fato é!

É possível que haja grandes bloqueios emocionais que poderiam ser melhor sanados com a ajuda de um terapeuta. Pense na ideia de fazer umas sessões pessoais de EFT.

Comentários