Como resolver um trauma com a EFT

Trauma é um bloqueio emocional que pode ocorrer com qualquer um de nós, a qualquer momento. Cada vez mais, com um mundo cada vez mais complexo e nossas vidas atribuladas, experimentamos traumas de diversas naturezas e precisamos de ajuda para amenizá-los.

Traumas podem ser conseqüências de diferentes aspectos da vida, desde a perda de um ente querido, um abuso, bullying ou até pequenos traumas que, aparentemente sem muita importância, vão se acumulando em nossas vidas até que um dia estouram.

Com a EFT tentamos anular o peso e a influência do trauma de uma maneira indolor e rápida. Não se pode apagar totalmente da memória o passado, mas pode-se muito bem mudar a maneira como nós o vemos e como reagimos a ele. Em outras palavras, com a EFT podemos superar as emoções causadas pelo trauma e voltar a viver relativamente em paz.

Como é o procedimento?

Nota: vamos descrever aqui apenas traumas mais leves, que podem ser mais facilmente anulados com a prática de auto-aplicação da EFT. Para traumas mais fortes, ou que já tenham um diagnóstico de um forte transtorno de estresse pós-traumático, aconselho procurar a ajuda de um praticante de EFT.

Para casos de traumas mais leves, primeiramente devemos nos concentrar em um trauma específico que queremos trabalhar e tentar trazer à tona alguma história em relação a ele. Por exemplo, podemos pensar no dia em que meu pai me bateu quando eu tinha doze anos.

É muito importante nos manter em apenas um tema, até que tenhamos clareza de que o peso do trauma já amainou completamente.

Devemos avaliar o sentimento que temos no momento e dar uma nota subjetiva, na escala de 0 a 10. Depois, inspirar profundamente e, melhor, dar uma volta, de preferência ao ar livre, para que qualquer idéia subjetiva em relação ao trauma não se mescle com a dor do sentimento.

É aí então que poderemos dar início às batidas. Primeiramente vamos fazer o setup, falando uma frase enquanto batemos no ponto do caratê continuamente. A frase, no caso do exemplo, poderia ser assim: Mesmo que meu pai tenha me batido quando eu tinha doze anos, eu me amo e me aceito profunda e completamente.

Devemos repetir a frase três vezes, ou modificá-la um pouco, para incluir ainda mais algum detalhe do tema. Por exemplo, pode-se acrescentar …que até hoje eu ainda sinto a dor e a humilhação que passei…, ou qualquer outro sentimento que você ainda tenha em relação ao episódio.

Também, se houver algum rancor em relação ao incidente, deve-se tratá-lo primeiramente, com o intuito de abaixá-lo. Por exemplo, mesmo que eu ainda guarde rancor por meu pai ter me batido, eu me amo e me aceito profunda e completamente. No momento que você sentir que não há mais raiva e que já está pronto(a) para perdoar, então, é bom fazer uma rodada assim: Mesmo que meu pai tenha me batido quando eu tinha doze anos, eu o desculpo e me aceito profunda e completamente.

Depois do ponto do caratê, partimos para as rodadas. Aí podemos repetir uma frase lembrete, que ainda nos ajude a ficarmos sintonizados ao sentimento. A frase pode ser algo como essa emoção da surra que levei de meu pai.

Faça umas rodadas e depois de respirar fundo, dê uma nova avaliação ao sentimento. Ele diminuiu? Ficou igual? Faça quantas rodadas achar necessário. Quando achar que o peso já diminuiu bastante e que não há emoção forte a respeito, faça então a seguinte pergunta para si mesmo(a): se eu me lembrar da situação, e tentar me sintonizar bem no que aconteceu, será que ainda sinto alguma dor, raiva, estresse (ou qualquer outro sentimento) agora?

De um modo geral, o sentimento deve ser quase nulo. Se ainda está forte, é necessário fazer novamente todo o processo. Não se preocupe, com paciência o problema do trauma se resolve, mesmo que demore um pouco mais.

Esse foi um exemplo de um trauma pequeno e, como ele, é possível que tenhamos inúmeros outros traumas pequenos. E todos eles podem ser tratados, um a um, com a EFT. No entanto, o mesmo evento, que para uma pessoa possa parecer pequeno, para outra pode ser um trauma enorme, que congela e bloqueia sua vida. No exemplo acima, um adolescente de doze anos pode experimentar um trauma pequeno se seu pai lhe bate, enquanto que em outro adolescente um incidente similar pode causar prejuízos enormes para a vida toda. Por isso, não subestimem os traumas. O que para um pode ser algo pequeno, para outro é um desastre.

Se você chegou a esse ponto e reconhece algum trauma que pela lógica parecia ser pequeno, mas que se desvendou algo muito forte dentro de si, aconselho seguir a técnica do filme ou a do conto da história, como está descrita no manual. Também, como já disse antes, talvez você ache melhor ir buscar ajuda de um profissional.

De modo geral, a EFT é considerada uma técnica sem dor, no sentido que não precisamos ir a fundo e tentar extrair o sentimento traumático, mesmo que isso seja doloroso demais. A EFT pode muito bem ser eficaz indo pela tangente, aos poucos, sem ter que entrar diretamente no caso. No mesmo exemplo, se o fato de seu pai ter lhe batido é ainda demais doloroso, ao invés de ir diretamente no evento, comece pelos sentimentos que estão em órbita. Por exemplo, cite apenas que você se sente perturbado(a) só de pensar, ou que seu coração bate mais rápido só de pensar, ou sente a garganta presa só de pensar, etc. E vá fazendo a EFT para cada um desses sentimentos, sem tocar diretamente no assunto da surra que levou do pai. Por fim, quando sentir que não há mais sentimento algum, ainda assim você deve se perguntar: existe algum aspecto sobre o tema que eu poderia falar agora?

E a partir daí o tema começará a se desvendar, aspecto por aspecto. Se ocorrer alguma emoção muito forte no meio do processo, simplesmente faça as batidas, sem cutucar muito a ferida, sem dizer nada. Só bata levemente até que você se acalme.

E, em pouco tempo, você se verá outra pessoa, livre das emoções que o(a) bloqueavam antes. Livre de traumas.

Comentários