Quantas vezes nos deparamos com a cobrança interna, de que temos de mudar para melhorar? É o desejo de querer a perfeição e não se contentar por menos. Apesar da enorme valia dessa exigência para o desenvolvimento pessoal e também da Humanidade, você já parou para pensar o quanto essa corrida desenfreada por algo que consideramos a meta nos causa problemas? Pode ser uma meta bem superficial e externa, tipo “Enquanto eu não tiver aquele corpo da Gisele Bündchen eu não vou me sossegar “ ou mesmo algo mais profundo e espiritual, tipo “Enquanto eu ainda tiver esses impulsos que me levam ao vício eu não serei uma boa pessoa”. Na maioria das vezes a meta desejada é para o próprio benefício e engrandecimento e, por isso também, dificilmente vamos vê-la como a causa de nossos males. Mas e se pudéssemos analisar a cobrança sob outro ponto de vista? Sociedade, família, religião, amigos e até os ricos e famosos, todos ajudam a incutir dentro de nós valores que muitas vezes nos são inatingíveis e, pior, que vão contra o nosso verdadeiro ser. O mundo, e nós próprios incluídos aí, é perito em criar crenças para formar nosso caráter e maneira de pensar e agir. Ao invés de vivermos nossa vida, passamos a nos cobrar do por quê não conseguimos levar a vida dos outros, baseados em certas crenças comuns. Podem ser pequenas frases que nos foram faladas repetidamente durante a infância, como, por exemplo, “seria bom você se esforçar mais para ser o melhor da classe” ou até “para você se sair bem sucedido na vida, você tem que trabalhar mais e não brincar tanto” ou “não se entusiasme tanto e seja mais sério”! Não importa a ótima intenção imbuída em tais frases, o problema é que elas nos norteiam a nos cobrar de maneira negativa e nos dão a idéia sutil de que a vida tem que ser levada a sério, na marra, e não na leveza do ser, na brincadeira. E o resultado é invariavelmente contraproducente. Terminamos criando em nós vibrações negativas em relação à nossa vida, com a sensação sempre de que algo nos falta, de que precisamos conseguir mais coisas e de que precisamos nos realizar mais. Isso cria um vazio em nosso ser e começamos a pensar que não somos bons o bastante e de que sempre está faltando algo para chegarmos lá. Podemos deduzir então que se vibrarmos dessa maneira, nossa vida vira um inferno. Oras, se a matéria é energia condensada, e nossa energia se volta para o sentimento de escassez e imperfeição, podemos deduzir que criaremos em nós não só uma angústia como também um possível problema físico. Receita perfeita para ficarmos doentes. Dentro da EFT, a Técnica da Libertação Emocional (para quem ainda não a conhece, sugiro dar uma olhada aqui), partimos do princípio básico que nos aceitamos e nos amamos mesmo tendo tal e tal problema ou imperfeição. É o velho exemplo de se deixar levar pela correnteza. A água flui suavemente pelo rio em direção ao mar. Se encontra uma pedra ou obstáculo, ela é maleável e flexível o bastante para dar uma volta e continuar o seu caminho. A EFT nos ajuda a termos força e sabedoria para aceitar quem somos, dando essas voltas aos obstáculos e deixando a energia fluir sempre. É o recado do “relaxa e goza” e de se aceitar incondicionalmente. Ao contrário, quanto mais teimarmos em nossa luta e resistência ou nadarmos contra a correnteza, mais encrudecidos e com menos vontade de viver ficaremos. É aquela energia por não gostar do trabalho que faz, de não ter o dinheiro para pagar dívidas, de passar o sábado à noite sozinho(a). Essa idéia de “eu odeio tal coisa” vai depois estourar em algum lugar. O corpo tem um sistema perfeito de defesa a qualquer ataque, principalmente o vibracional. No momento que estamos sob a pressão do estresse, o corpo se trava e dá o primeiro sinal. Pode começar na forma de uma pequena dor, querendo nos avisar: “Ei! Acorda! Estou tentando te alertar!” Muitas vezes não ouvimos o recado e deixamos de lado, pensando que agora temos coisas mais importantes a fazer. Aquela pequena dor passa então a ser uma dor insuportável. Em outras palavras, não aprendemos a mensagem. Ao invés de acabar com a resistência, de se soltar e aceitar o problema, nós fazemos o contrário. Dizemos a nós mesmos, como se fosse para nos enganar, de que está tudo bem, que dá para continuar assim, que podemos aguentar, que temos que chegar lá, que se não o fizermos estaremos contrariando o desejo dos outros, e assim por diante. A técnica da EFT, apesar de rápida e simples, ajuda enormemente a identificar crenças contrárias ao nosso ser e a melhorar nosso pensar e sentir, além de esclarecer o nosso foco. Tiramos de cima de nós a carga negativa que a cobrança nos traz e colocamos em seu lugar a aceitação de quem e como somos, não importa o quê. Essa simples mudança de pensamento faz o quadro vibracional fluir de maneira positiva e recuperar em nós aquele estado de saúde, paz, prosperidade e alegria com o qual fomos concebidos. Ao ficarmos cientes dessas cobranças desmedidas e usarmos a EFT como ferramenta para anular emoções estressantes e maus pensamentos, estamos em um caminho de melhoria vibracional e energética para nos tornarmos mais prósperos e saudáveis. A EFT acaba com qualquer pensamento, sentimento ou crença que possam ser contrários ao nosso estado original de ser. Quem quiser testar na prática como a EFT pode mudar as energias do corpo, sugiro aprender um pouco mais e fazer o exercício que está aqui abaixo. Desejo tudo de bom pra vocês, muita saúde e paz e uma vida mais livre das cobranças. (Para quem ainda não está familiarizado com a prática da EFT, por favor, entre na página Como Aplicar a EFT) Sociedade, família, cultura, religião e amigos nos cobram que temos que estar bem, ou que temos que mudar de vida e de comportamento. Apesar de todas as boas intenções, essas cobranças muitas vezes nos são nocivas. Criamos um ideal irrealista de quem desejamos ser e muitas vezes nos sucumbimos pela pressão. Chegamos a cobrar de nós mesmos que deveríamos estar fazendo mais pela vida. De um modo geral, a angústia que aí surge é a causa de grandes doenças posteriormente. A EFT é uma técnica simples e eficaz que pode rapidamente mudar e elevar o seu quadro vibracional, sua auto-estima e, assim, melhorar todas as áreas de sua vida. Aqui está um exercício: Ponto do caratê: Mesmo que eu me cobre tanto, que eu queira ser alguém mais que no fundo não sou eu, eu procuro agora me amar e me aceitar da maneira que sou. Mesmo que eu sinta esse vazio em mim, que eu ache que precise realizar algo mais na vida e que essa pressão está me deixando mais em angústia, eu procuro me aceitar como eu sou e escolho me desculpar por me cobrar tanto assim e desculpar a todos que possam ter contribuído com essa pressão em cima de mim. Mesmo que eu queira tanto ser alguém que eu não sou, e essa minha exigência está me pressionando muito, eu escolho me deixar levar pela correnteza, me sentir leve e tranqüilo(a). (Nota: nesse momento, você pode ser mais específico (a) e citar algum problema específico que esteja lhe atormentando a respeito. Como, por exemplo: “Mesmo que eu não tenha ido bem naquele exame, eu escolho agora poder ficar tranqüilo e me aceitar como eu sou, e assim abrir caminho de maneira mais natural para eu me sair bem nas próximas provas”) Agora nos pontos: Sobrancelha: Eu me cobro demais. Lado do olho: E isso cria uma pressão muito grande em mim. Embaixo do olho: Eu quero ser alguém que eu não sou. Embaixo do nariz: Eu escolho poder me relaxar mais a respeito. Embaixo da boca: Escolho poder me soltar e ser levado(a) pela correnteza. Clavícula: Escolho me aceitar como eu sou. Embaixo do braço: E dessa maneira me abrir para encontrar o novo eu. Em cima da cabeça: E poder ser bem-sucedido(a) da minha maneira. Dá para começar a ver um novo eu? Ficar mais tranqüilo (a) e não se deixar levar pela pressão? Se ainda houver muita pressão negativa, enfatize esse lado negativo, até que ele vá embora. Depois, veja como você se sente e pode então começar a fazer a EFT para o lado positivo: Sobrancelha: Eu escolho viver como eu sou. Lado do Olho: Fluir de acordo com minha natureza. Embaixo do olho: Escolho me desculpar por ter me cobrado tanto. Embaixo do nariz: E desculpar qualquer outra pessoa que tenha me pressionado para isso. Embaixo da boca: Escolho ser mais eu. Clavícula: E assim poder vibrar as minhas próprias qualidades. Embaixo do braço: E me sair bem a partir de minha própria força. Em cima da cabeça: Escolho me aceitar como eu sou. Se você acha que a sua cobrança interna ainda é muito forte e gostaria de ter a ajuda de um profissional para acelerar a solução do problema, entre em contato comigo. Faremos uma consulta por telefone/ skype que pode causar toda a diferença. A primeira consulta é gratuita. (Para maiores detalhes para uma consulta online, clique aqui)
Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *