Em nosso caminho encontramos muralhas que muitas vezes nos parecem intransponíveis. O bom é saber que temos sempre maneiras de arrumar uma escada e passar por cima. Quantas vezes não nos deparamos com barreiras aparentemente enormes que parecem estar ali só para nos dar o recado de que não conseguiremos? Talvez nunca cheguemos à conclusão de quem começou primeiro: São essas barreiras a causa de desânimo e ansiedade ou será o contrário? Serão o sofrimento e angústia os causadores desses obstáculos? Não importa o ângulo de vista, empecilhos existem em nossas vidas e nos fazem pensar em desistir e dar a meia volta. Livros de autoajuda e palestras motivacionais estão repletos de casos de superação e sucesso. Não só isso como também nos dão a fórmula para vencer. E por que, então, ainda nos é tão difícil o êxito? Muitas vezes ouvimos relatos de pessoas que adotaram atitudes positivas na vida e assim conseguiram lograr seus objetivos, não importa quantas barreiras tenham aparecido no caminho. Mas por que vivemos o tormento de achar que não conseguiremos? Se existe uma boa resposta a essa pergunta é o auto-boicote. Nós mesmos criamos, em nosso condicionamento, os entraves que depois nos parecem insuperáveis. Em outras palavras, somos os próprios criadores de nossos problemas. O pior é que nos rendemos a essa condição de vencidos e só nos resta consequentemente a lamentação. Apesar de desejosos por uma solução, só nos resta a acomodação em nosso fracasso e a crença de que jamais conseguiremos. A esse respeito me vem à memória a fábula do lobo e das uvas penduradas na parreira. Mesmo que o lobo se esticasse ao máximo, elas permaneciam lá no alto. Para se justificar, o lobo saiu dizendo para todos que as uvas ainda estavam verdes. Pouco se sabe se ele desenvolveu um trauma por não ter conseguido o intento, apenas que encontrou uma boa desculpa para a sua derrota. No nosso caso, podemos dizer que não só ficamos traumatizados como também desiludidos quando nos deparamos com as dificuldades. Nosso próprio inconsciente constrói esses obstáculos e também inventa a crença de que não iremos conseguir superá-los. Somos vítimas duas vezes da mesma armadilha! Por alguma razão acreditamos piamente que não conseguiremos. Nesse condicionamento mental, é comum acreditar em pequenas justificativas e pintá-las como a causa mor de não termos logrado o necessário. Podemos alegar que nos falta a força ou a inteligência, ou simplesmente o tempo e a sorte. Outra saída bastante comum, também, é culpar os demais, desde os pais até o governo. Não importa a desculpa, o fato é que estamos presos aos nossos limites e sofremos por nos achar um fracasso. Esse auto-boicote é o responsável em criar as próprias barreiras para o nosso sucesso. Ele é a explicação para a dificuldade de alguém largar um vício, por exemplo, ou perder peso, curar dores crônicas ou sair de uma depressão. É algo que não funciona pela lógica, pois se isso acontecesse, seria muito mais fácil resolvermos e superarmos problemas. A resposta está dentro de nosso inconsciente, quando freamos o nosso avanço ou bloqueamos a nossa cura, simplesmente porque não queremos nos arriscar fora da “zona de conforto”. O que temos que entender é que tal comportamento não faz parte de nossa fraqueza. É apenas uma questão de que as vibrações energéticas dentro de nós estão fluindo de maneira contrária. E como tal, elas são passíveis de serem corrigidas. Parece que não queremos romper a barreira. Para quem carrega em si há algum tempo esse medo de dar o passo adiante e enxerga apenas uma muralha à frente, essa emoção passa a fazer parte de sua personalidade e até mesmo de sua identidade. Superar ou perder essa “identidade” pode ser uma ameaça muito grande para o inconsciente. Portanto, mesmo que pela razão desejamos superar o obstáculo, existe um bloqueio do inconsciente. Será que estamos prontos para transpor o muro e sermos os heróis de nossas conquistas? Nessa hora podemos ver que manter-se como o fracassado, justificando que as uvas ainda estão verdes, é menos perigoso do que arriscar-se. E é aí que as barreiras viram grandes muralhas. Ficamos à mercê do medo e da inércia ou procrastinação para com a vida. Diante de tanto negativismo, as muralhas nos parecem intransponíveis. O bom é saber que temos sempre maneiras de arrumar uma escada e passar por cima. E como será essa escada? Atitudes e afirmações positivas, esclarecimento do propósito da vida e seus objetivos e ser persistente são regras básicas e conhecidas para o sucesso. Porém, o que nos é difícil entender é que enquanto mantivermos a vibração energética de nosso corpo correndo em sentido contrário, o auto-boicote estará ligado e, não importa a tentativa, não conseguiremos transpor o muro. Daí a necessidade de um trabalho no campo energético. Práticas como a EFT, que utiliza as leves batidas dos dedos em certos pontos dos meridianos da acupuntura enquanto se mentaliza a causa da vibração negativa, são bastante eficazes para a superação de barreiras. Enquanto que antes havia o bloqueio, uma vez que o inconsciente interpretava como um sinal de perigo e por isso fazia todo o corpo se reter e impedia o avanço, agora as batidas nesses pontos dá uma nova mensagem ao inconsciente, de confiança e segurança. Com essa nova mensagem o inconsciente desbloqueia o corpo e estamos livres para transpor a barreira. Temos visto que práticas no campo da psicologia energética, como a EFT no caso, aliadas a atitudes e afirmações positivas, são altamente eficazes em romper nossos empecilhos e criar novos horizontes, onde imperam a liberdade emocional. Se quiserem aprender mais sobre a técnica da EFT e com ela desvendar a maravilha que é o seu eu interior, visitem o meu site aqui. Para receberem informações periódicas sobre a técnica e obter um manual completo gratuito, assinem a Newsletter aqui. Se quiserem uma exercício de como fazer a EFT dando uma “recalibragem” no eu, entrem na seção do Total-CheckUp, aqui. Eu desejo a todos muita saúde e paz e que possamos brilhar esse diamante cada vez mais e mais.
Facebook Comments Box
Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *