Eu costumo dizer sempre que o perdão é a perfeição da terapia. Quando se chega ao ponto de perdoar, entende-se que houve todo um caminho de reflexão e amadurecimento. É por isso que, apesar de ser o objetivo desejado, o perdão não pode ser forçado.

O perdão é sempre definido como uma decisão em deixar para trás qualquer sentimento de raiva e ressentimento para com alguém que você acha que agiu erroneamente com você.

Porém, isso se refere à atitude em perdoar os outros. E quando o caso é perdoar a si mesmo?

Ao mesmo tempo em que você pode ser compassivo em perdoar os outros, é bem possível que você seja extremamente exigente consigo. Uma pena, pois perdoar a si próprio é muito importante para sua própria saúde mental e bem estar.

Em nosso caminho em direção ao crescimento pessoal, é inevitável encontrar erros. Afinal, errar é humano. Somos confrontados pelos nossos limites, somos vulneráveis e erramos. Com isso, há um enorme sentimento de culpa e vergonha. E isso é um enorme fardo que carregamos e que muitas vezes bloqueia nosso caminho.

Ser capaz de perdoar a si próprio, aceitando o passado, pode ser bem difícil, mas é possível.

E a EFT é uma técnica perfeita para se chegar ao ponto do perdão e conseguir perdoar completamente.

Quem ainda não a conhece, EFT significa técnicas da libertação emocional. Ela usa o conceito da acupuntura, quando ativamos o fluxo energético mediante leves toques (tapping) da ponta dos dedos enquanto “conversamos” com as emoções gravadas no inconsciente.

E o que faz com que essas emoções estejam tão arraigadas no inconsciente a ponto de não querermos perdoar? Certos eventos passados podem não estar de acordo com nossos valores ou crenças, o que desencadeia sentimentos de culpa e remorso.

Perdoar a si próprio com esses eventos do passado pode ser difícil, em parte porque muitas vezes não estamos plenamente cientes dessas emoções.

E é aí que entra a importância da EFT. Através dos exercícios da EFT, conseguimos acessar camadas profundas do inconsciente e liberamos a carga energética de cada uma das emoções, criando então um campo novo para ressignificarmos cada evento.

O que antes era causa para a vergonha e a culpa, agora se torna um caso corriqueiro, sem valor para que continuemos nos culpando por isso.

E como isso é feito através da EFT?

Podemos seguir um procedimento prático em quatro etapas. A primeira é identificar algum incidente passado que seja difícil de perdoar. Mais do que apenas identificar, o importante é entrar em contato com o aspecto emotivo da lembrança. Para facilitar essa identificação, costumamos dar uma nota no grau de intensidade da emoção, de 0 a 10, sendo 10 o grau de desconforto máximo. Se possível, tente sentir a emoção no campo fisiológico. Você a sente em seu corpo? Se positivo, então tente descrever a sensação. Isso tudo será a referência para depois testar se o caso foi resolvido ou não.

Nessa primeira etapa, o importante é reconhecer o suposto erro e, ainda assim, apesar de tudo, você conseguir se aceitar e se amar. A frase inicial seria algo como:

“Mesmo que eu tenha agido daquela maneira e que por isso eu não consiga me desculpar, eu, ainda assim, me aceito e me amo profundamente.”

As frases seguintes, faladas ao fazer o tapping em outros pontos, poderão descrever em detalhes o ocorrido e o seu sentimento por isso.

A segunda etapa do exercício é dizer que você sente muito pelo que aconteceu:

“Mesmo que eu tenha agido errado e que eu esteja me culpando por isso, eu escolho aceitar o que aconteceu e poder me desculpar por isso.”

A essa altura, você já deve ter checado para ver se o grau de intensidade da culpa ainda está o mesmo ou se já abaixou. A sensação continua a mesma?

Depois de ter conseguido se expressar ao dizer que escolhe se desculpar por isso, a terceira etapa é reconhecer os passos seguintes a serem tomados. O foco é na intenção de se desculpar, o que deve ser uma intenção genuína. Se nesse ponto ainda há resistência para o perdão, você deve retroceder uma etapa e fazer o exercício focando nessa resistência.

A frase de preparação para a terceira etapa desse exercício poderia ser:

“Mesmo que uma parte de mim ainda esteja resistente em me perdoar, que esteja presa ao sentimento de vergonha e culpa, estou aberto a deixar isso para trás.”

A quarta etapa dessa técnica do auto perdão é ver o futuro. É bem possível que você se encontre em situações semelhantes no futuro. Tente ver como seria sua reação e se você já consegue ver situações semelhantes sob outra perspectiva.

Para melhor eficácia, o ideal é seguir esse processo para cada situação passada, uma a uma. Pode iniciar com a mais pesada, e se aprofunde nos detalhes de cada evento. À medida que for trabalhando o auto perdão, você irá notar maior leveza na vida e um sentimento de grande liberdade.

Me acompanhe nesse vídeo abaixo, em um exercício para o auto perdão.

 

 

Facebook Comments